• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT repudia vereadores de Cruzeta por declarações falsas contra presidente sindical

A Central Única dos Trabalhadores repudia as falas dos vereadores Walfredo Cesino (PSB) e Cipriano Pinheiro (MDB), durante sessão legislativa no no plenário da Câmara de Vereadores de Cruzeta-RN, no dia 20 de a

Publicado: 26 Abril, 2021 - 08h46 | Última modificação: 26 Abril, 2021 - 08h50

Escrito por: Redação CUT RN

notice
A Central Única dos Trabalhadores repudia as falas dos vereadores Walfredo Cesino (PSB) e Cipriano Pinheiro (MDB), durante sessão legislativa no no plenário da Câmara de Vereadores de Cruzeta-RN, no dia 20 de abril, por declarações falaciosas contra o Presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Cruzeta-RN, Anderson Cunha de Alencar.
 
Em sessão, os parlamentares fizeram referência ao pagamento do piso salarial nacional do magistério e aos repasses patronais para o Regime Próprio de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Cruzeta-RN.
De acordo com o sindicato, as acusações são inverídicas observando os seguintes fatos temporais e legais:
 
1 - O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Cruzeta-RN, foi constituído legalmente em 07/04/2015, conforme Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas, data posterior aos anos de descumprimento do pagamento do piso salarial nacional para os profissionais do magistério municipais dessa cidade, mas é importante ressaltar que com a organização do sindicato e a luta da categoria pelo piso começou a ser respeitado e os anos de descumprimento foram requeridos judicialmente, fato que provocou a condenação da Prefeitura Municipal de Cruzeta-RN a pagar os valores atrasados devidamente corrigidos;
 
2 - O sindicato não é responsável pelas atitudes da gestão municipal, mas assumiu com firmeza a defesa da manutenção dos salários em dia dos servidores municipais. Por tanto, não pode cair na conta do sindicato o uso do princípio legal estabelecido pela Lei Complementar n° 173/2020 que possibilitou a todos os entes públicos (estados e municípios), como forma de compensação pela queda da arrecadação provocada pela crise da pandemia da COVID-19, o não recolhimento da parte patronal das contribuições previdenciárias durante o período de afetação da pandemia em 2020.
 
Por fim, ao tentar atingir a imagem do dirigente sindical, os vereadores externam o quão nossa sociedade precisa avançar na garantia da liberdade sindical e na luta pelos direitos da classe trabalhadora. Por isso, nós da Central Única dos Trabalhadores também nos solidarizamos aos companheiros de Cruzeta, em nome da luta por direitos e soberania dos trabalhadores.
 
Eliane Bandeira,
presidenta da CUT.