MENU

A negociação com a Prefeitura do Natal não avançou e os professores seguem em greve

A greve é a última alternativa encontrada quando a negociação não avança.

Publicado: 15 Dezembro, 2021 - 15h54 | Última modificação: 15 Dezembro, 2021 - 15h59

Escrito por: Concita Alves

notice

Depois de muitas tentativas em quase dois anos de negociação com a SME e prefeito Álvaro Dias(PSDB), os professores da rede municipal de ensino de Natal, suspenderam na tarde de ontem, 14, a assembleia que acontecia em formato presencial e remoto, e seguiram em caminhada até a prefeitura para pressionar por uma proposta digna que contemple o reajuste de 12,84% ao qual a categoria pleiteia.

Ao final da audiência, a Comissão que estava na mesa de negociação apresentou as propostas da Prefeitura e SME para categoria de profissionais presentes, sendo rejeitada de imediato pela categoria.


Desde a última sexta feira, 10, que a categoria de Professores do Município de Natal, entraram em greve por direitos na perspectiva que a Prefeitura cumpra a atualização salarial referente ao ano de 2020. Ontem à tarde, o prefeito, ainda sugestionou que se fosse apresentada a proposta na assembleia dos professores, seria aceita, mas ao ser apresentada, foi imediatamente rechaçada


A CUT estava presente no movimento dos Professores Municipais, através da professora Eliane Bandeira, Presidenta.


Eliane Bandeira ressalta que: “A greve é principalmente pela melhoria da Educação Municipal e pelo reajuste de 12,84% que os professores tem direito, mas também por direitos de toda categoria: seletivos, estagiários, educador Permutado, Carga Suplementar e Hora Extra. A proposta apresentada mais uma vez pela Secretaria não contemplou os professores e seguiremos em luta por direitos."


Há informações de que foi enviado ofício aos gestores intimidando os grevistas, porém a categoria está respaldada pela lei Nº7.783/1989, que dispõe sobre o direito à greve.


A proposta mantida e apresentada com poucos avanços, pela Secretária Municipal de Educação, Cristina Paiva, de 6,42% foi a seguinte:
a) Aos ativos, aplicação de 6,42%, já em dezembro de 2021 + Pagamento retroativo de janeiro a novembro.
b) Aos Inativos: aplicação de 6,42% em janeiro de 2022, , somado ao retroativo dos 12 meses de 2021, o retroativo será pago em 12 parcelas no exercício de 2022.
c) Retormar as negociações em Junho de 2022, 6,42% relativos aos 12, 84% restante do reajuste.
A assembleia foi retomada hoje, 15, no Clube América, com a presença massiva da categoria, em formato presencial, seguindo as orientações sanitárias, como uso de máscara e álcool.


Ekeoma Santos, fez uma fala na Assembleia retomando a importância da educação, pela continuidade da greve frente à proposta apresentada, e a luta por direitos e pelo FUNDEB, que são questões centrais para a categoria.


A pauta de hoje: Informes, Avaliação do movimento e Encaminhamentos, os professores escutaram a apresentação das propostas e decidiram pela continuidade da greve. Na última proposta apresentada em negociação p com a SME e Prefeitura de Natal, e que foi rechaçada coletivamente, o valor do reajuste foi de apenas 6,42% , contra os 12,84% ao qual os professores têm direito. A proposta se manteve com alguns pequenos avanços.
Segundo a categoria, desde dezembro de 2019 o piso salarial não é atualizado e a prefeitura alega não haver recursos para atualização. Atualmente, o piso nacional de um professor com formação superior é de aproximadamente R$ 3 mil.